Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #482 | 18/06/2018 - Ano XIX
 
Literatura | Edição #481 - 11/06/2018

Uma incessante busca pela felicidade

A grande busca por dinheiro torna as pessoas cada dia mais infelizes

Bruna Araujo
Estudante de Jornalismo

Comentários
 
Todos os dias, para todas as pessoas são iguais. Imagem/ Pixabay

Todos os dias, para todas as pessoas são iguais.
            Imagem/ Pixabay

Todos os dias é a mesma coisa. Levantamos cedo, tomamos um banho gelado para acordar, um café quente, pegamos um trânsito estressante e temos que ser produtivos. O dia todo. Depois disso, saímos tarde, vamos para casa, fazemos um jantar qualquer, algo prático porque estamos cansados, e depois cama.

Os dias passam e as pessoas não sorriem mais, não dão risada, não são felizes. As pessoas não vivem mais. É triste ver o anseio pelo dinheiro para se ter mais e mais e não se ter nada, além de dinheiro. Foi-se o tempo em que trabalhar era prazeroso, que os jovens escolhiam o curso por prazer e não por dinheiro. Foi-se o tempo que as pessoas ainda viviam e desejavam coisas simples.

A vida é feita de pequenos momentos 

Foi-se o tempo em que as crianças corriam descalças pelas ruas brincando. Foi-se o tempo em que olhar o céu em uma noite estrelada era um programa incrível e que as pessoas não estavam cansadas o suficiente para se deitar e observar. Foi-se o tempo em que o céu ainda era estrelado. Foi-se o tempo em que viver era algo bom.

Todos os dias, para todas as pessoas são iguais. Não vemos mais nada além de acordar cedo, trabalhar o dia inteiro em um escritório fechado, voltar para casa ao anoitecer, comer algo e depois dormir, porque no dia seguinte a rotina se repete.

Hoje falta coragem, falta vontade de se divertir, de sorrir, de mudar a programação, de amenizar o estresse fazendo algo diferente, saindo com os amigos, revendo a família aos fins de semana e comendo um churrasco para alegrar a vida. Falta humor nas pessoas para levar a vida mais leve, dar bom dia ao porteiro, correr no parque, brincar com o cachorro, ver um filme diferente ou um clichê mesmo que te faça rir.

A vida é linda, mas as pessoas não veem mais isso. A vida foi feitar para ser vivida e não apenas para existir em busca de dinheiro e achando que um dia ele irá te trazer felicidade. A vida é feita de pequenos momentos que se tornam grandes em nossas lembranças. É necessário uma mudança interna em cada um de nós, para que tenhamos mais gratidão por aquilo que temos, pelas pessoas que estão ao nosso redor e por toda e qualquer conquista, por menor que seja.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

31.174 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

"It's not worth diving into dreams and forget to live" (Dumbledore)

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

junho 2018
S T Q Q S S D
« mai    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

galeria de fotos

George Carlin Mario Quintana Chico Buarque

enquete

É preciso começar a discutir a sexualidade ainda na infância?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.