Literatura | Edição #483 - 28/06/2018

Tem coisas que só o suor pode apagar

É honrar a camisa e gritar: "verás que um filho teu não foge à luta"

Allan Cavalcanti
Estudante de Jornalismo

Belo Horizonte, 2014, Brasil e Alemanha. Há quatro anos a seleção brasileira sofreu a pior derrota da história do futebol nacional. Após o término da partida, os brasileiros não acreditavam no que haviam acabado de presenciar. Sofrer uma derrota como essa, na nossa casa, não foi nada fácil.

Após o fim do jogo e a eliminação, a maioria dos brasileiros não queria nem mais saber de futebol. A realidade batia à porta outra vez para a única “copa” em que o Brasil parece ser campeão: a chamada corrupção. Então, desde a Copa do Mundo no Brasil, foi preciso muito trabalho duro para fazer o brasileiro voltar acreditar no time.

O então técnico do Corinthians, Tite, assumiu o comando da seleção brasileira. Desde aquele momento até a chegada da Copa do Mundo da Rússia, em 2018, havia muito caminho a percorrer. Amistoso após amistoso. Convocação a convocação. Jogo a jogo, jogadores e torcedores iam se sentindo mais confiantes. Recomeçar era necessário.

Há quatro anos o Brasil sofreu a pior derrota da história do futebol nacional

No dia 14 de maio de 2018, o técnico da seleção anuncia a lista de convocados: Alisson, Ederson,Cássio, Danilo, Fagner, Marcelo, Filipe Luís, Miranda, Marquinhos, Thiago Silva, Geromel, Casemiro, Fernandinho, Paulinho, Renato Augusto, Fred, Philippe Coutinho, Willian, Neymar, Douglas Costa, Gabriel Jesus, Roberto Firmino, Taison. Uma super equipe, que poderia apagar a mancha da nossa história chamada 7 x 1.

Muito sempre se espera do futebol do jogador mais caro da atualidade, Neymar, ou do menino que saiu de um clube paulista para um grande clube inglês. Mas quem está provando ser o melhor jogador em campo nas primeiras partidas do Brasil na Copa é Philippe Coutinho. Ele era reserva da seleção brasileira até um tempo atrás, entrava alguns minutos, mas não se firmava. Após a chegada de Tite, tornou-se referência com a camisa canarinho e hoje já é considerado o melhor jogador em campo, sendo o primeiro a marcar um gol para o Brasil nesta copa. Mas sem nenhum estrelato, ou holofotes, ninguém joga sozinho.

É incrível como nos surpreendemos com o futebol e muitas vezes quem acreditávamos que iria resolver o jogo, acaba dando espaço para uma equipe mostrar que, juntos, podem finalmente gritar: Hexacampeão.brazil-875577_1280 [1]


Artigo impresso de Jornal Matéria Prima:
http://www.jornalmateriaprima.com.br

Endereço para o artigo:
http://www.jornalmateriaprima.com.br/2018/06/tem-coisas-que-so-o-suor-pode-apagar/

Endereços neste este artigo:

[1] Imagem: http://www.jornalmateriaprima.com.br/wp-content/uploads/2018/06/brazil-875577_1280.jpg

© 2017 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.