Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Literatura | Edição #482 - 18/06/2018

Gestos simples fazem falta no dia a dia

Nunca pensamos como nossos atos podem afetar a vida de uma pessoa

Talita Camozze
Estudante de Jornalismo

Comentários
 

Mais um dia começou e a sensação de encarar o mundo com um sorriso estava cada vez mais difícil. No começo era uma pessoa animada, determinada, persistente. Não deixava nada, nem ninguém interferir nos seus planos. Mas teve aquele dia que ficou marcado na sua vida, o dia que ela encarou a verdade e viu o que realmente era a vida real. O dia em que ela acordou e mudou totalmente sua vida. Pior deixou aquilo mudar quem ela era.

Um dia essa pessoa estava tão mal, que ninguém ligava, ninguém notava, ou simplesmente dizia que era apenas “drama”. Porém, o que ninguém sabia é o por que ela estava assim. Ninguém chegou até ela e perguntou:

- Você está bem?

 Ela não estava em um de seus melhores dias. Todos temos esses dias, mas nunca conseguimos enxergar o lado dos outros também, não é? Ou talvez só não queremos nos intrometer. Pensamos: “ela quer ou precisa ficar sozinha”. E esse é o nosso erro, esse é o pior momento de alguém ficar sozinha.

Ninguém viu o que estava atrás daquela máscara; Até que ela caiu

Sabe esse dia que ela não estava bem? Pois então, bem nesse dia seus colegas vieram conversar com ela, mas não para saber como estava, e sim para falar o quanto desligada do mundo ela estava. Se estava mesmo se importando com alguma coisa ainda. Se não estava nem aí para nada, ela devia parar de atrasar os outros. Essas palavras, para ela, foram uma tortura. Talvez ela precisa-se ouvir isso, mas não naquele momento. Porém, isso acontece, ás vezes não vemos se os outros estão bem e acabamos dizendo coisas sem pensar ou achando que dizendo aquilo estamos ajudando.   

 Aquela realmente não era a hora de ela ouvir isso. Ninguém sabia, mas por trás daquele sorriso, daquela pessoa animada e “imbatível”, existia uma pessoa frágil e sensível.

Lembra? Ninguém se importou de saber o que ela tinha. Ninguém viu o que estava atrás daquela máscara. Até que ela caiu. Mas já era tarde demais.

Naquela noite ela já não aguentava as feridas. Já não tinha mais como esconder os cortes. O seu pedido de ajuda ninguém mais iria escutar. Era hora de dizer adeus. E eu? Sou apenas uma pessoa que assistiu a tudo isso e não conseguiu impedir ou simplesmente ajudar. Desculpe não ter ouvido o seu grito de socorro.

(Imagem/ Pixabay)

(Imagem/ Pixabay)

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

32.898 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

"É Deus que nos aguarda nas duas pontas do tempo." (Paulo Briguet)

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

junho 2018
S T Q Q S S D
« mai   jul »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

galeria de fotos

Mario Quintana Cazuza Chico Buarque

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.