Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #472 | 29/12/2017 - Ano XVIII
 
Literatura | Edição #472 - 29/12/2017

A doce vida e suas reflexões niilistas

Nem sempre quem vive sabe viver; a vida pode ser cruel só de pensar nela

Gabriel Amaral
Estudante de Jornalismo

Comentários
 

Entre as idas e vindas da vida, sempre tem alguém que inverte nossas perspectivas para percebermos que muitas vezes tanto as vindas quanto as idas não fazem diferença. E esse momento pode durar uma hora ou dias. Geralmente ele passa e voltamos a ir ao trabalho e voltar para casa como antes. Só que sempre mais desapegados à rotina existencial que é acordar e sair de casa.

Enquanto alguns se desesperam com esse desprendimento da vida cotidiana, outras acham essencial a consciência da nossa pouca significância dentro do nosso universo. Mas acho que todos concordamos que a vida passa, como já passaram muitas vidas antes, e um dia, a nossa passará também. São como lágrimas na chuva.

Mesmo amar a vida ainda é possível, conhecemos uma felicidade diferente

Não sou muito fã de poesia, mas tem uma quejá me fez refletir durante muito tempo com apenas oito estrofes. Trata-se do poema de Ricardo Reis, onde convida Lídia a sentar-se com ele e ver a vida passar. E como o rio, nossa vida passa e não volta. Podemos nos ocupar com uma razão da vida pós a morte, mas ela, existindo ou não, o rio está passando. “Mais vale saber passar silenciosamente”. O que eu quero dizer é que nada importa tanto assim quanto a gente pensa. Talvez a gente esqueça das proporções e apenas damos muita importância para os significados que uma vez foram construídos dentro da nossa vida.

E como dizia Nietzsche: “ Mesmo amar a vida ainda é possível, nós conhecemos uma felicidade diferente”.

Afinal devemos amar ou não amar pelo o que as coisas são. E essa é a graça, amemos a vida como ela realmente é. E daí que não somos o centro do mundo? Talvez não seja apenas isso, talvez ela seja tudo isso.

Talvez não exista nenhum propósito. Talvez não tenha que fazer sentido. Todos um dia vão morrer.

Se isso é ser realista ou pessimista não importa, mas por mais que pareça, não é uma mensagem para provocar desespero, ao contrário. Calma. A vida continua de qualquer jeito, às vezes isso é irritante porque queremos reviver certas coisas. Porém, não teria graça se fosse fácil, e enfrentar a nossa realidade pode ser mais gratificante do que comprar uma ideia confortável.

Imagem/ Gabriel Amaral

Imagem/ Gabriel Amaral

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

29.441 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Qualidade e sincronia.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

galeria de fotos

George Carlin Mario Quintana Chico Buarque

enquete

Você gostou do Jornal Matéria Prima em 2017?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2017 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.