Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Cidade | Edição #470 - 10/11/2017

Francisco sonha conquistar selo ‘orgânico’

Ex-produtor de algodão, feirante aposta na produção de tomatinho cereja

Edição Especial
Projeto Integrador 2017

Comentários
 
Tanto na feira como na horta, Francisco trabalha com o apoio da família (Imagem/Ryan Saveli)

Tanto na feira como na horta, Francisco trabalha com o apoio da família
(Imagem/Ryan Saveli)

Marialvense, 62, Francisco Donizete trouxe na genética o gosto e a habilidade do trabalho na lavoura. Filho de algodoeiro, conta que os pais nasceram na Argentina, mudaram-se para São Paulo e depois para Marialva, no Paraná. No início, ao chegarem a Marialva, os pais investiram no cultivo de café, o que na época estava bastante em alta.

Só na Feira do Produtor de Maringá, Donizete está há 25 anos. Tímido e de pouca conversa, ele comenta que nesses anos de feira percebeu muitas mudanças entre as quais a diminuição da freguesia, que hoje opta pela facilidade de ir ao supermercado.

“No fim da feira não sobra um para contar história”

O aumento da procura por produtos orgânicos também afetou as vendas de Francisco Donizete porque os produtos que cultiva não são totalmente livres de agrotóxicos.

O feirante diz que planta tomates, melão, pepinos e vive disso desde então. Antes de trabalhar na Feira do Produtor, Donizete trabalhava com sericultura (criação de bicho da seda), e após sofrer uma queda grande no interesse do mercado, decidiu aproveitar  a propriedade para o plantio de frutas e legumes.

Tanto na feira quanto na horta, ele se orgulha de dizer que tem o apoio da família, que está sempre ao lado dele.

Quando quastionado sobre a vontade de produzir orgânicos, o feirante diz querer muito conseguir mais esse avanço, porém ainda depende de certificação que autorize e qualifique o serviço.

Como todo bom feirante, ele faz propaganda daquilo que produz, e garante que o tomatinho cereja, aquele bem pequenininho e doce, é o carro-chefe da barraca.“No fim da feira não sobra um para contar história”, brinca. Para a produção desses tomatinhos, Donizete conta com 16 estufas de 300 metros quadrados.

A rotina do produtor começa cedo na lavoura, para cuidar dos cultivos. Vai para as estufas dos tomatinhos que exigem mais cuidados que os demais legumes na colheita, sempre com a ajuda da família, faz a limpeza, seleção e embala tudo que será vendido no dia seguinte.

Os tomates vendidos por Donizete são produzidos em estufas (Imagem/Ryan SAveli)

Os tomates vendidos por Donizete são produzidos em estufas
(Imagem/Ryan SAveli)

Produzido pelos estudantes Gustavo Martines e Ryan Saveli, na disciplina Narrativas Jornalísticas

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

31.372 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Notícias

 

Calendário

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

galeria de fotos

George Carlin Mario Quintana Cazuza

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.