Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Cidade | Edição #470 - 10/11/2017

A feira é o sustento da família de Valéria

Ela e o marido, Marcos Satoshi Kikuta, são feirantes há 11 anos

Edição Especial
Projeto Integrador 2017

Comentários
 
Valéria Cristina ao lado da barraca na Feira do Produtor (Imagem/Weverton Klein)

Valéria Cristina ao lado da barraca na Feira do Produtor (Imagem/Weverton Klein)

Entre as dezenas de barracas amarelas da Feira do Produtor em Maringá, no estacionamento do estádio Willie Davids, está a de Marcos Satoshi Kikuta, 33 e da mulher dele, Valéria Cristina, 32. O casal mora no Distrito Vale Azul, em Sarandi (a 7 km de Maringá). Há 11 anos os dois trabalham como feirantes. Antes de se casarem, já trabalhavam com frutas e legumes. Kikuta era produtor de verduras e a mulher vendia uva em Marialva (a 17 km de Maringá). Hoje, são produtores de hortaliças.

O casal tem uma pequena chácara no Vale Azul e é de lá que saem todos os produtos vendidos na feira. Valéria conta que todo o sustento da família provém da barraca. “A feira nossa é como uma Mega-Sena. Se não chove, a feira é boa”, acrescenta. E apesar dos contratempos e de ter que acordar cedo, Valéria fala da profissão com entusiasmo. “Vida de feirante é gostosa, não é ruim não”, diz. Aos sábados, a família acorda às 3h30 e fica na feira até à 10h30, quando termina de desmontar a barraca. 

A feira nossa é como uma Mega-Sena. Se não chove,  é boa

Todas as hortaliças produzidas pelo casal são orgânicas, ou seja, cultivadas sem agrotóxicos e fertilizantes químicos. Valéria conta que alguns produtos são liberados para uso de defensivo, contudo, o marido prefere que as hortaliças sejam geradas 100% ao natural. “Se tiver que usar [fertilizantes], ele produz em casa. A gente tem um livrinho de orgânicos e nós mesmos produzimos”, complementa.

A produção começou pequena, com as folhosas rúcula, almeirão e alface. No entanto, buscando levar uma variedade maior de produtos ao consumidor, Valéria diz que agora a produção da família conta com inhame, batata-doce, manjericão, brócolis e couve-flor, todos orgânicos e que, em breve, estarão disponíveis na feira.

A feirante lamenta, contudo, o fato de haver pouca divulgação sobre a produção de alimentos cultivados sem o uso de agrotóxicos. Para ela, se houvesse propagandas explicando o motivo de os preços serem maiores do que os dos não orgânicos, o consumo também seria maior. “Tem bastante gente que reclama [do preço]”, afirma.

Produzido pelos estudantes Eduardo Domingos e Weverton Klein, na disciplina Narrativas Jornalísticas

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

32.234 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Notícias

 

Calendário

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

galeria de fotos

Mark Twain George Carlin Cazuza

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.