Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Literatura | Edição #467 - 23/10/2017

Da fama ao perecer, ela deveria estar aqui

O poderoso contralto notado na voz dela logo conquistou os ingleses

Eduardo Domingos
Estudante de Jornalismo

Comentários
 

Desde pequena, a encantadora garota londrina já demonstrava personalidade forte. Tinha o gosto apurado para a música e era um tanto curiosa. O pai adorava entoar canções de Frank Sinatra e Ella Fitzgerald para a jovem menina que despertou a sensibilidade pelo jazz. Na escola, alguns professores reclamavam da garota que passava a maior parte do tempo cantarolando pelos cantos em vez de estudar, mas não a subestime, pois ela era uma das mais inteligentes.

Tinha o gosto apurado para a música e era um tanto curiosa

Em seu lar, contudo, o relacionamento dos pais não ia muito bem, pois o mesmo homem que a fez tomar gosto pela música mantinha um relacionamento amoroso com uma amiga de trabalho e isso a fez desenvolver uma certa rebeldia e dificuldade no convívio familiar. No entanto, o talento musical falou mais alto e aos 10 anos fundou uma banda de rap em parceria com uma amiga.

A garota de olhos verdes e bochechas volumosas não imaginava que seria reconhecida mais tarde por aquilo que mais gostava de fazer, cantar, aliás, ser reconhecida era o que ela menos queria. Costumava dizer que a fama a enlouqueceria.

O poderoso contralto percebido na voz dela logo conquistou a Inglaterra no lançamento do primeiro álbum, mas foram os versos “no no no”, contidos na principal faixa do segundo álbum que a trouxeram para o estrelato. O disco surgiu após o relacionamento conturbado com um homem comprometido e que a apresentou ao mundo ilícito. Aqui ela já não era como antes, pois o penteado e visual extravagante, fortemente inspirado na moda dos anos 50, escondiam uma garota que pedia socorro, porém ninguém mais podia ajudá-la e ela sabia disso. Seriamente comprometida pelo uso abusivo de drogas, aliado à mídia sensacionalista, viu os problemas individuais ganharem mais espaço nos tabloides do que a música pela qual tanto zelou.

Os excessos de produtos tóxicos culminaram no fim da materialidade dessa encantadora menina, porém o espírito cativante e o legado musical por ela deixado exalam vida. Acalmam os ouvidos de quem tem sensibilidade de apreciar a delicadeza e genialidade expressas em canções, ora melancólicas, ora divertidas.

Amy Winehouse - Back to Black (Universal / Island Music) Imagem/Reprodução

Amy Winehouse – Back to Black (Universal / Island Music)
Imagem/Reprodução

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

35.205 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Amy Winehouse, somente.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set   nov »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

galeria de fotos

George Carlin Cazuza Mario Quintana

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.