Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #462 | 18/09/2017 - Ano XVIII
 
Cidade | Edição #461 - 11/09/2017

Coleção reúne 300 mil cartões telefônicos

Londrinense coleciona item há 25 anos e hoje tem até loja virtual de cartões

Eduardo Domingos
Estudante de Jornalismo

Comentários
 

 

A coleção levou Marcos Furtado a fazer do hobby um negócio (Imagem/Arquivo Pessoal)

A coleção levou Marcos Furtado a fazer do hobby um negócio
(Imagem/Arquivo Pessoal)

A Telecartofilia, hábito de colecionar cartões telefônicos, ganhou adeptos no Brasil quando as antigas fichas telefônicas foram substituídas, no início dos anos 90, pelos telecartões de tipo indutivos, isto é, quando a leitura se dá pela corrente elétrica induzida nos circuitos da máquina leitora e do cartão. Esse modelo foi criado pelo engenheiro Nelson Guilherme Bardini, em 1978, e se popularizou após 1992, quando foram emitidos os primeiros exemplares de cartões telefônicos no Brasil. Atualmente em baixa, os últimos cartões emitidos foram pelas operadoras Oi, Sercomtel, Vivo e Algar Telecom em 2014, segundo o blog Telecartofilistas.

O engenheiro aposentado Marcos Luís de Oliveira Furtado, 66, de Londrina (a 100 km de Maringá) é colecionador de cartões telefônicos desde 1992 e atualmente tem um acervo de mais de 300 mil itens. Furtado conta que começou a colecionar desde o início das vendas ao público. “Sou filatelista [colecionador de selos postais]. Quando vi que lançariam cartões já comprei os primeiros”, lembra.

A loja virtual de Furtado tem 40 mil cartões para venda (Imagem/Reprodução)

A loja virtual de Furtado tem 40 mil cartões para venda
(Imagem/Reprodução)

O gosto por colecionar cartões é tanto que Furtado decidiu criar, em 2007, a loja virtual Telecartofilia Furtado, para atender compradores de todo o país que estão em busca de artigos difíceis de serem encontrados no mercado convencional. No site da loja estão disponíveis 40 mil itens.

A história de Furtado como telecartofilista vai além de apenas colecionar e vender preciosidades do meio. Ele conta que em 1999, quando houve o Primeiro Encontro Nacional de Telecartofilia de Londrina, chegou a lançar alguns cartões em parceria com a Sercomtel, empresa municipal de telecomunicações. “A Sercomtel patrocinou o nosso encontro. Na época, o presidente da operadora [Francisco Roberto] era meu amigo”, diz.

Estudante quer vender acervo de 2.000 cartões e diz que o hobby perdeu sentido

Se por um lado há colecionadores que não medem esforços (e dinheiro) para conseguir novos cartões, de outro há quem queira se desfazer do próprio acervo. A universitária Vanessa Aparecida, 28, moradora do bairro Jardim Itaipu I, em Paiçandu (a 15 km de Maringá), diz que está à procura de compradores para a coleção dela, de aproximadamente 2.000 cartões. Segundo ela, o hobby de infância perdeu sentido na vida adulta. “Depois que cresci, acabei perdendo o interesse e disposição para colecionar cartões”, conta. Quando perguntada se ela já encontrou algum interessado, diz que nenhum valor oferecido até agora a agradou, pois tem algumas raridades.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

27.837 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Penso que posso tudo e sempre a qualquer momento.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

setembro 2017
S T Q Q S S D
« dez    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

galeria de fotos

Chico Buarque George Carlin Mario Quintana

enquete

Ejacular no pescoço de uma mulher, dentro de um ônibus, deveria ser considerado estupro?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2016 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.