Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Esporte | Edição #457 - 07/11/2016

Uso de tecnologia levanta discussão no mundo da bola

Após a confusão na partida entre Fluminense e Flamengo, surge a questão sobre o uso de monitoramentos eletrônicos no futebol

Guilherme Fortunato
Aluno de Jornalismo

Comentários
 

 

Uso de tecnologia evitariam confusões como essa no futebol (Imagem: Divulgação-Radio UOL)

Uso de tecnologia evitariam confusões como essa no futebol
(Imagem: Divulgação-Radio UOL)

       Dentre as grandes funções que a tecnologia exerce, a principal delas é facilitar a vida do homem. Pode substituir uma pessoa em determinada função, até mesmo executar uma quantidade maior de tarefas em um espaço curto de tempo. No esporte não é diferente. Vimos nos últimos Jogos Olímpicos, realizados no Rio de Janeiro em agosto, um exemplo de como a tecnologia pode ajudar. Mas no futebol, o esporte mais praticado no planeta o uso desse auxílio tecnológico ainda é visto como motivo de polêmica.

 

 

Dizer que o futebol não usa tecnologia seria um erro, pois os árbitros utilizam aparelhos eletrônicos para se comunicar durante a partida. Em alguns países a bola, vem com um chip para identificar se entrou ou não no gol. Mas para por aí. Assim como em outros esportes, tem lances em que é praticamente impossível enxergar a olho nu. A utilização de tecnologia de monitoramento poderia ajudar a arbitragem a controlar melhor o jogo e esclarecer as dúvidas sobre lances capitais do jogo.

Está mais do que na hora de o futebol se modernizar. A tecnologia pode ajudar

   No último dia 13 de outubro, Flamengo e Fluminense protagonizaram um clássico carioca de muita discussão. No fim da partida o árbitro Sandro Meira Ricci foi acusado de utilizar informações externas por parte de algum individuo que viu impedimento no gol do Fluminense. O lance gerou reclamações e comentários durante toda a semana que sucedeu a partida. Um lance parecido ocorreu nas oitavas de final da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, onde Inglaterra e Alemanha jogavam. O arbitro uruguaio Jorge Larrionda anulou um gol legítimo anotado pelos ingleses quando a partida estava 2 a 1 para os alemães. A partida terminou  em 4 a 1 para os germânicos, mas o lance poderia ser crucial para uma reação inglesa.  

Está mais do que na hora de o futebol se modernizar. A tecnologia pode ajudar a decidir lances cruciais de uma partida, evitando discussões, pressão por parte de jogadores na arbitragem, além de propiciar um espetáculo limpo. Que os mandatários do esporte comecem a rever certos conceitos primitivos e passem a enxergar o futuro. O futebol precisa cada vez mais de monitoramento tecnológico, para abrilhantar o espetáculo e evitar que lances como o da partida entre Fluminense e Flamengo se repitam diminuindo as discussões em campo.

Discussão e comentários »

Um comentário | Deixe seu comentário

Lucas Cartapatti disse:

Ótima matéria, parabéns Guiga :D

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

33.244 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Nascido em Mandaguari, estudante de Jornalismo, sou apaixonado por esportes e política.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

novembro 2016
S T Q Q S S D
« out   dez »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

galeria de fotos

Chico Buarque Cazuza Mark Twain

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.