Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Cultura | Edição #455 - 24/10/2016

O machismo e o estereótipo da prostituta

Usar o adjetivo “puta” para ofender alguma mulher está relacionado diretamente com excesso de orgulho masculino

Leticia Freitas
Aluna de Jornalismo

Comentários
 
girl-from-behind-1736373_960_720

Sociedade machista: onde pornô é legal, mas ser puta não
(Pixabay / Khusen Rustamov)

“Beijou mais de um na balada. É puta. Traiu o marido. É puta. Ela é muito mais nova que ele.” É puta. Ultimamente, é normal relacionar um comportamento que muitos dizem “inapropriado” com o de uma prostituta. Porém, os críticos esquecem que ser prostituta é uma profissão como qualquer outra. Ser puta é ser uma mulher que trabalha, assim como a vendedora, a gerente de banco, a professora, a zeladora etc.

O Código Penal brasileiro não se refere à prostituição em si, pois a mulher ou o homem que lucra com o próprio ato sexual, não está cometendo nenhuma infração penal, visto a inexistência de definição dessa prática como crime. Crime é, de acordo com o Artigo 229 da Constituição, manter por conta própria ou de terceiro, casa de prostituição ou lugar destinado a encontros para fins libidinosos, com ou sem, o intuito de lucro ou mediação direta do proprietário.

A marginalização dos profissionais do sexo leva à exploração sexual, que também é crime. Segundo reportagem publicada pela Agência Brasil em março deste ano, a exploração foi um dos motivos para o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) criar o Projeto de Lei 4.211/12, que regulamenta a atividade dessas profissionais. O projeto está parado na Câmara dos Deputados, pois não há consenso entre os defensores e os opositores. De certo, esses opositores são os sórdidos que ainda acreditam que para ser a mulher perfeita tem que ser mãe, dona de casa e puritana e que são os mesmos seres que se acham superiores aos outros só porque tem certificado do ensino superior.

Respeitar o próximo é lei e está tanto na Constituição como na Bíblia

Vivemos em um país em que assistir filmes de sexo é legal, vistar sites pornográficos é normal, mas trabalhar com sexo é grotesco. Ofender uma mulher chamando-a de puta, é o mesmo que chamá-la de gerente de supermercado, lixeira ou qualquer outro cargo profissional. Desmerecer o serviço que alguém exerce, é, no mínimo, indecente.  A ideia de que a mulher que trabalha com sexo é indigna de qualquer direito está relacionada diretamente com o machismo que, infelizmente, insiste em permanecer na sociedade.

De acordo com o dicionário online, “machismo” é um conjunto de atitudes que recusam a ideia de igualdade entre homens e mulheres; demonstração exagerada de valentia; expressão intensa de virilidade; macheza. Julgar o outro pelo gênero, roupas, ideias ou pela profissão é viver na era das cavernas. Respeitar o próximo é lei e está tanto na Constituição como na Bíblia. Então, para os primatas, duas dicas: aprenda a estabelecer limites, a própria liberdade chega até a liberdade do próximo, e pensar antes de falar, afinal, antes de apontar o dedo para alguém, lembre-se que você tem as próprias contas a pagar.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

33.155 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

A tal da tagarela e curiosa de plantão à procura de novas histórias para contar.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

outubro 2016
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

galeria de fotos

Cazuza Mario Quintana Mark Twain

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.