Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Sem categoria | Edição #454 - 17/10/2016

O coração de pedra que se transformou

Sentimentos feridos endurecem as pessoas, mas nada como o despertar de uma nova paixão para mudar essa história

Guilherme Fortunato
Aluno de Jornalismo

Comentários
 

  Dizem que no decorrer da vida cruzamos com muitas pedras no caminho. Procuramos por vezes trilhas que desviem dessas pedras e nos levem a um caminho repleto de flores. As pedras não expressam movimento, muito menos sentimentos, podem simbolizar também o resto de algo construído que acabara de ser destruído.

Sentimentos e flores desabrocham onde não imaginamos. (Imagem: Alexandria/ Pixabay)

Sentimentos e flores desabrocham onde não imaginamos.
(Imagem: Alexandria/ Pixabay)

   Assim como uma obra destruída deixa vestígios, sentimentos feridos deixam marcas. Com ele não foi diferente. Apaixonado por uma jovem, passou parte da juventude construindo um ninho de amor para a amada. Em certo dia viu sua flor ser apanhada por um jardineiro que a levou para casa. O mundo dele caiu, como se um prédio fosse demolido e sobrasse uma única pedra. Essa pedra era seu coração. Vazio, sem expressões e sentimentos, sem afetos, o coração do jovem endureceu como uma rocha e assim permaneceu.

   Durante anos muitas mulheres passaram por ele, mas como uma pedra, o rapaz não expressava nenhum tipo de reação. O único movimento que aquele coração de pedra realizava era o de ferir quem passasse pelo seu caminho. Não havia cores em sua vida, não existia a luz, apenas o cinza que caracteriza uma rocha.

Como uma obra destruída deixa vestígios, sentimentos feridos deixam marcas

   Apesar de duras, as pedras não são indestrutíveis e, em uma certa noite conhece uma jovem com os olhos verdes, brilhantes como as estrelas e com um sorriso encantador. Ao passar pelo caminho dessa pedra, ela fez diferente das outras, diferente da maioria que parava à frente da pedra e esperava movimentos da parte dele. A jovem simplesmente apanhou a pedra com as mãos e a tirou-a daquele caminho cinza e duro e a levou a um caminho de cores, o caminho do amor.

   Com o tempo, a jovem foi acompanhando aquela pedra rachar, e foi desabrochando de dentro dela uma linda flor, como uma mágica. Flor esta, que a jovem guardou e regou pelo resto da vida. Essa flor simboliza o amor nascendo novamente no rapaz, que transformou o coração de pedra em uma flor vermelha, a mais linda do jardim. E como só nos contos de fadas acontecem, Charlie e Mia viveram felizes para sempre.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

37.133 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Nascido em Mandaguari, estudante de Jornalismo, sou apaixonado por esportes e política.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

outubro 2016
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

galeria de fotos

Mark Twain George Carlin Mario Quintana

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.