Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Economia | Edição #456 - 31/10/2016

“A indústria foi o principal setor afetado pela crise econômica brasileira”

Márcio Marconato diz que mesmo com crise em todo o Brasil Paraná sobe no ranking e é a 4º maior economia do país

Adelson Jaques
Estudante de Jornalismo

Comentários
 
Doutorando da UEM fala sobre a atual situação econômica do país Arquivo pessoal/ Márcio Marconato

Doutorando da UEM fala sobre a atual situação econômica do país
Arquivo pessoal/ Márcio Marconato

“Esgotamos todos os recursos”. Foi assim que a então presidente Dilma Rousseff admitiu, com menos de três meses de segundo mandato, que as políticas de combate à crise de 2008 desequilibraram as contas públicas. O recado ainda seria repetido pelo então ministro da Fazenda e pai do ajuste fiscal, Joaquim Levy: “O dinheiro acabou”.

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, o Brasil enfrenta a pior crise econômica desde 1990. Na indústria houve queda de investimentos e perda de competitividade. O Brasil se acomodou muito com os fortes ganhos das vendas de matérias-primas e deixou a indústria em segundo plano. Agora, sofre com uma pauta de exportações limitada e com a dependência da China, o que prejudica visto que eles também deram uma desacelerada na economia. A falta de confiança dos investidores internacionais também pode ser um motivo para o agravamento da crise no país.

Para falar um pouco sobre a crise brasileira, e a economia estadual o Jornal Matéria Prima (JMP) conversou com Márcio Marconato, mestre em Economia Regional pela Universidade Estadual de Londrina e doutorando em Teoria Econômica pela Universidade Estadual de Maringá.

O polo automotivo é o terceiro maior do país e as empresas paranaenses se destacam

No 2º trimestre de 2016, o Produto Interno Bruto (PIB) da economia brasileira, comparado ao mesmo trimestre de 2015 teve queda de 3,8%. Na sua visão de mercado qual foi o maior motivo para essa queda tão significativa?
A economia brasileira fechou o ano de 2015 em queda de 3,8%, puxada pela indústria (-6,2%). A indústria de transformação recuou 9,7%, o setor de serviços recuou 2,7% e o consumo das famílias, que por muitos anos puxou o crescimento da economia brasileira, recuou 4%. Apenas a agropecuária cresceu em 2015, com alta de 1,8% em relação ao ano anterior, sob influência da soja e do milho. Esse desempenho negativo observado em diversos setores importantes da economia contribuiu para a retração do Produto Interno Bruto.

Mesmo com o país em crise o Paraná ultrapassou o Rio Grande do Sul e hoje é a quarta maior economia do país segundo dados divulgados pelo IBGE, o Paraná responde por 6,3% de toda a riqueza do país. Como o senhor explica em meio à crise essa mudança de patamar histórico da economia paranaense?
O ano de 2013 foi um ano bom para os três Estados da região Sul, mas o crescimento econômico do Paraná que levou o Estado à posição de quarta economia do pais é resultado de diversos fatores: como o desempenho do agronegócio e o programa de atração de investimentos (Paraná Competitivo) que levou emprego e renda para todas as regiões do Estado. Além do mais, o polo automotivo é o terceiro maior do país e as empresas paranaenses se destacam em outras cadeias produtivas, como alimentos, máquinas e equipamento, energia e petroquímica.

A taxa de desemprego no interior do Estado está em 7% contra a média de 11,2% no Brasil. No seu ponto de vista a estrutura econômica paranaense está favorecendo para um menor impacto da crise e uma recuperação mais rápida?
Sim. A indústria foi o principal setor afetado pela crise econômica brasileira No caso do Paraná a região metropolitana de Curitiba se destaca na produção industrial. Já no interior, a economia é mais pautada no setor da agricultura e do serviço. A região oeste, por exemplo, entre janeiro de 2011 e março de 2016, liderou a criação de empregos no estado, com saldo (entre admitidos e demitidos) de 51,7 mil vagas com carteira assinada segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) e o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e social (IPARDES).

De janeiro a junho deste ano, das três grandes regiões metropolitanas do PR, Curitiba e Londrina perderam juntas 10 mil postos de trabalho. Na contramão do saldo negativo, Maringá gerou 630 emprego no período. A que se deve esse efeito?
Os empregos foram gerados no Paraná, principalmente no setor de serviços e comércio. Em Maringá esses setores são representativos e responsáveis por boa parte dos empregos.

O que a nova equipe econômica deve fazer para por o Brasil no trilhos do crescimento econômico?
A nova equipe econômica, liderada pelo ministro da Fazenda Henrique Meirelles, tem apresentado medidas para equilibrar as contas públicas, o que é importante para que o governo federal volte a ter capacidade de investimento. Outros fatores que podem contribuir para a volta do crescimento são a redução das taxas de juros e o incentivo aos investimentos privados, sobretudo na indústria e infraestrutura.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

33.442 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Notícias

 

Calendário

outubro 2016
S T Q Q S S D
« set   nov »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

galeria de fotos

Chico Buarque Cazuza Mark Twain

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.