Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Crítica de Mídia | Edição #446 - 15/08/2016

Emissora não cumpre 100% de transmissão

Usuários de canais por assinatura ficam insatisfeitos por não verem evento olímpico logo nos primeiros dias

Cristiano Almeida
Aluno de Jornalismo

Comentários
 
Montagem/Cristiano Almeida

Montagem/ Cristiano Almeida                         Canais Sportv não cumpre os 100% de transmissão olímpica

Os canais Sportv, pertencentes à Globosat (considerada a maior programadora de televisão da América Latina), lançaram nas Olimpíadas Rio 2016, 16 canais e mais 40 sinais na web, tudo para ter a maior cobertura olímpica da história. Cem por cento dos jogos olímpicos, com mais de 7,5 mil horas de transmissão e mil horas na TV aberta, à frente da rede americana NBC, com 6,7 mil horas. Um dos resultados desse crescimento foi a autorização para construir um estúdio de 500 m² e três andares no meio do Parque Olímpico.

No último dia 5, os canais esportivos da Globosat não transmitiram a etapa classificatória do tiro com arco, o que recebeu críticas dos telespectadores que não puderam acompanhar a etapa antes mesmo da abertura dos jogos.

A reclamação foi grande, obrigando o SporTv a se justificar nas redes sociais. “Infelizmente a geradora oficial de sinal dos Jogos Olímpicos não está repassando o sinal do tiro com arco”, explicou o canal em resposta a telespectadores que cobraram os prometidos “100% de transmissão” dos jogos.

A justificativa: a geradora
oficial da Rio 2016
não está repassando o sinal

A apresentadora Vanessa Riche falou sobre o assunto no programa Redação Sportv, pouco após a disputa. “Não transmitimos por não ter as imagens”, resumiu. Edgar Alencar, outro âncora do canal, escreveu justificativa parecida nas redes sociais. “A geradora oficial não disponibilizou imagens do classificatório do tiro com arco, só por isso não tivemos como transmitir”, argumentou.

A etapa classificatória do tiro com arco claramente não é prioridade da Olympic Broadcasting Services (OBS), geradora oficial do sinal de TV dos jogos. Nas Olimpíadas de Londres, em 2012, a etapa também não foi transmitida.

No último dia 5, a disputa, na Marquês de Sapucaí foi a responsável pelo recorde mundial alcançado nos jogos do Rio. O sul-coreano Kim Woojin foi o melhor da modalidade, anotando 700 pontos, um a mais do que o recorde anterior.

Ora, uma empresa conceituada, que é o grupo de comunicação da família Roberto Marinho, prometer nos canais Sportv 100% de transmissão olímpica e deixar de transmitir um evento por causa da rede OBS é, no mínimo, antiprofissional. Deixou os telespectadores deveras insatisfeitos. O slogan, agora, deve ser “99% de transmissão”.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

37.126 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Notícias

 

Calendário

agosto 2016
S T Q Q S S D
« jun   set »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

galeria de fotos

Chico Buarque Mark Twain Mario Quintana

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.