Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Segurança | Edição #443 - 20/06/2016

Muitos se conectam, mas poucos discutem

A internet se tornou um espaço democrático e de muito debate, mas a própria rede é discutida a passos de tartaruga

Raysson Schimmack
Aluno de Jornalismo

Comentários
 

Dados do TIC Domicílios 2014 revelam que metade dos lares brasileiros têm acesso à internet nos dias de hoje, seja pelo computador, tablet ou smartphone, não importa. Se você não é uma dessas pessoas, pelo menos uma vez na vida já se viu navegando nessa grande rede mundial de computadores. São os jovens quem mais passa mais tempo conectado.  Estudo britânico publicado no começo do ano passado, da Internet Watch Foundation em parceria com a Microsoft, realizado entre setembro e novembro de 2014, analisou 3.803 vídeos e imagens de conteúdo sensual ou sexual. Publicado na forma de relatório, o estudo constatou, entre várias outras questões, que 17,5% dessas imagens e vídeos expunham crianças de 15 anos para baixo e 7,5% expunham crianças com 10 anos de idade ou mais jovens.

O perigo existe a um clique, mas muitas vezes está oculto    (Imagem/ Pixabay

O perigo existe a um clique, mas muitas vezes está oculto
(Imagem/ Pixabay)

É quase inevitável que tais práticas favoreçam inúmeros delitos, como a exploração sexual de crianças e adolescentes. Muito se discute sobre a criminalidade virtual e quais comportamentos podem poupar alguém de ser vítima de tais atos, mas parece que essa discussão está a passos de tartaruga. Diante dessa realidade, o mais preocupante é que, de acordo pesquisa recente da Kaspersky Lab, empresa global de cibersegurança, 22% dos pais afirmaram já ter visto os filhos em contato com conteúdos inadequados e interagindo com estranhos na rede. O estudo revela ainda que 61% dos pais não conversam com as crianças sobre os perigos que elas podem encontrar na internet.

O mundo virtual é caracterizado, pelo menos há um tempo, por ser um espaço sem dono, onde todos podem dizer e fazer o que pensam, sem o menor risco de ser penalizados. Essa realidade precisa ser transformada e se tornar um espaço de direito e de respeito com o próximo.

Com o objetivo de regulamentar o espaço virtual no Brasil, foi aprovada em 2014 a lei conhecida como Marco Civil da Internet. Recentemente foi instaurada a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de Crimes Cibernéticos com projetos de lei (PLs) propostos pelo deputado Esperidião Amin (PP-SC), relator da CPI, que prevê algumas mudanças e acréscimos na regulamentação do uso da internet.

A questão não é censurar ou pecar contra a liberdade de expressão, longe disso

Tais discussões são pertinentes, mas é preciso mais do que nunca esclarecer que a internet não é um local onde “tudo pode”. Necessita de debates, tanto dos órgãos competentes como da própria sociedade.

A questão não é censurar ou pecar contra a liberdade de expressão, longe disso. O ponto é reconhecer que há limites, afinal ninguém está seguro na rede. Muitas polêmicas envolvem as propostas discutidas na CPI de Crimes Cibernéticos. O relatório final deverá tramitar com prioridade na Câmara dos Deputados. O que não pode permitir são as medidas que infringem uma característica primordial da internet: a liberdade, mas com responsabilidade.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

37.133 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Notícias

 

Calendário

junho 2016
S T Q Q S S D
« mai   ago »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

galeria de fotos

George Carlin Mark Twain Chico Buarque

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.