Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Tecnologia | Edição #438 - 16/05/2016

Tecnologia e os métodos de investigação criminal

Bloqueio do WhatsApp mostra que a Justiça está se esquecendo de usar os caminhos tradicionais para chegar a criminosos

Gian Ribeiro
Aluno de Jornalismo

Comentários
 
Imagem/Monagem/Gian Ribeiro

Imagem/Monagem/Gian Ribeiro

O aplicativo WhatsApp teve o sinal bloqueado pelo juiz  Marcel Maia Montalvão, da comarca de Lagarto (SE), no último dia 2 de maio. O bloqueio, que era para ser 72 horas durou apenas 26 horas por conta da intervenção jurídica do desembargador Ricardo Múcio Santana de Abreu Lima, do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ-SE). Ele ordenou o restabelecimento do sinal no dia seguinte.

Não é a primeira vez que tentam bloquear o aplicativo. No ano passado, em dezembro, algo semelhante aconteceu, porém, o bloqueio foi de 48 horas. O Judiciário vê o aplicativo como uma ferramenta capaz de deter criminosos que o utilizam, podendo interceptar informações sobre tráfico de drogas. Foi por isso que o juiz Montalvão pediu o bloqueio. Já os responsáveis pelo WhatsApp no Brasil alegam não dar as informações à Justiça por não possuí-las.

O aplicativo tornou-se essencial na comunicação nacional. O bloqueio, sem dúvida, teve a intenção de facilitar o trabalho do Judiciário, mas o que aconteceu com a investigação policial? Como a Justiça fazia para encontrar traficantes antes da internet?

Há quem diga que com o bloqueio do WhatsApp famílias voltaram a jantar reunidas. Brincadeira à parte, a situação para os mais de 100 milhões de usuários ficou séria. Para alguns mais, para outros, menos.

O fato é que o aplicativo tornou-se um dos meios de comunicação mais importantes para os brasileiros no sentido social e comercial. Pode-se dizer que o WhatsApp é igual ou até mesmo mais importante que o telefone. Existe nele, grupos da família, amigos, futebol, faculdade etc. O comércio tem utilizado o aplicativo para receber pedidos de produtos e mercadorias.

O aplicativo
tornou-se essencial na comunicação nacional

De acordo com dados da segunda Pesquisa Nacional do Varejo Online, feita pelo Sebrae no ano passado, 39% das pequenas empresas de comércio eletrônico, por exemplo, utilizam o WhatsApp como ferramenta de pré e pós-venda. Em tempo de crise é importante economizar e o aplicativo tem sido, tanto à pessoas físicas, quanto jurídicas, uma opção viável.

Até mesmo os jornais e programas de TV têm usado o WhatsApp para sugestão de reportagens, opinião (enquetes) e envio de informações, em função da instantaneidade que o aplicativo proporciona.

A tecnologia é importante, mas utilizar os métodos tradicionais de investigação também, o que, por si só, joga por terra a tese dos que defendem o bloqueio do aplicativo.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

33.155 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Notícias

 

Calendário

maio 2016
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

galeria de fotos

Mario Quintana Chico Buarque Cazuza

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.