Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Literatura | Edição #430 - 02/11/2015

A vida não está nem aí para sua rotina

Se você tem dúvidas sobre como viver, tenha certeza ao menos sobre como não viver; afinal, você não vai ter muito tempo

Larissa Bezerra
Aluna de Jornalismo

Comentários
 
(Foto: Larissa Bezerra)

(Foto: Larissa Bezerra)

Eu sabia que um dia isso teria que acontecer, mas não esperava que fosse tão cedo. Estava tranquilo, aproveitando o nada, quando de repente nasci.

Lembro que antes, só precisava pensar na vida, mas sem me preocupar. Agora, é necessário viver.

Antes, acordava, pensava (em nada muito importante), andava por aí, sem nenhum lugar específico para ir e criava sonhos em minha cabeça, mas minha condição não me deixava realizar nenhum.

Agora, acordo, preciso comer, tomar banho e coisa e tal. Estudo, trabalho, estudo mais, trabalho mais. Depois trabalho mais um pouco. Tenho quinze minutos de intervalo. Trabalho mais. Vejo tevê. Novela, filme hollywoodiano, outra novela. Às vezes, o telejornal. Vou dormir cedo, para acordar cedo, para trabalhar mais, para pagar a tevê.

Eu sabia que um dia isso teria que acontecer, mas não esperava que fosse tão cedo

Já são trinta anos nesse ritmo. Uma vez a cada dois anos vou a praia. A cada dois anos, porque no ano seguinte ao da viagem, tenho que trabalhar mais, para economizar mais, para pagar as vinte parcelas da viagem. Mas não importa, porque eu trabalho sempre pensando nisso, então estou feliz.

Ainda penso em ter uns três filhos. Mas só daqui uns anos. Quando eu trabalhar mais, economizar mais, para comprar mais coisas, para conseguir decorar o quarto deles, levá-los mais vezes a praia e comprar uma tevê nova para eles verem as novelas e os filmes hollywoodianos.

Mas nem tudo é como a gente quer. A vida às vezes apronta.

Eu sabia que um dia isso teria que acontecer, mas não esperava que fosse tão cedo. De repente, voltei a habitar o vazio. Lembro que antes só precisa pensar na morte, mas sem me preocupar. Agora, é necessário morrer. Antes, acordava, trabalhava e criava sonhos em minha cabeça, mas minha condição não me deixava realizar nenhum. A vida bem que podia avisar quando vem e quando vai, para estarmos preparados para mudar essas pequenas coisas na rotina.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

37.872 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Uma versão dostoievskiana que ainda não conseguiu ser nada.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

novembro 2015
S T Q Q S S D
« out   abr »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

galeria de fotos

George Carlin Mario Quintana Cazuza

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.