Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Cidade | Edição #411 - 04/05/2015

Um caso de amor com a “Esperança”

Moradora vive há 36 anos em rua com nome do marido, que morreu há 25, e é exemplo para quem a conhece e mora no bairro

Pedro Henrique Solheid
Aluno de Jornalismo

Comentários
 
Olímpia Alves, 82, moradora da Vila Esperança desde 1979 (Foto: Pedro Solheid)

Olímpia Alves, 82, moradora da Vila Esperança desde 1979 (Foto: Pedro Solheid)

Quem passa pela Viela Onófre Alves, na Vila Esperança, região norte de Maringá, nem imagina que ali mora a viúva do carpinteiro que deu nome à rua. Uma das primeiras moradoras do bairro, Olímpia Faria Alves, 82, mudou-se para lá com o marido e mais oito filhos, em 1979, quando não havia ali nada mais do que mato e uma plantação de café. Em 1991, a Prefeitura de Maringá mudou o nome da Viela 8 para Viela Onófre Alves, em homenagem ao pioneiro, que já havia morrido.
Forçada a deixar a casa que moravam e trabalhando como zeladora no Colégio Santa Cruz, na região oeste da cidade, com salário de R$ 100, na época, dona Olímpia conseguiu sustentar toda a família e economizar R$ 70 para pagar as prestações do terreno onde construiria não só a própria casa, mas uma relação de amor com o lugar.

 

A UEM para mim é tudo, é maravilhosa, é como se fosse o quintal da minha casa

Ela conta que não existia asfalto nem água encanada quando foram para lá. Era preciso andar na terra, pelo meio do mato, para pegar água em um poço artesiano. E era por dentro da Universidade Estadual de Maringá (UEM), fundada em 1969, o caminho mais fácil para chegar em casa.

A filha Vaunilda Aparecida Alves Vargas, 59, já era adulta quando a família se mudou, portanto se lembra bem de como foi difícil para a mãe lidar com as necessidades dos filhos. O pai, já idoso e muito doente, não conseguia mais trabalhar. “Passamos muita dificuldade, mas se tivesse uma bala ela cortava um pedacinho para cada filho”, diz Vaunilda sobre a mãe.

Com a nova casa ainda em construção, mas já morando lá, Olímpia perdeu o emprego que tinha há 20 anos no Colégio Santa Cruz. Surgiu então a oportunidade de trabalhar, também como zeladora, na UEM, onde ficou por 12 anos, até se aposentar. “A UEM para mim é tudo, é maravilhosa, é como se fosse o quintal da minha casa”, conta a vizinha e ex-funcionária da universidade.

Hoje, com sete dos filhos vivos, 17 netos e 10 bisnetos, a maioria deles vivendo na Vila Esperança, dona Olímpia e a família criaram forte vínculo com o lugar. “Eu gosto daqui, já tive vontade de sair, mas não troco. Pretendo ficar aqui, ter minha família, meu filhos, tudo aqui”, diz Ana Claudia Alves Vargas, 23, uma das netas dela, nascida e criada no bairro.

Discussão e comentários »

3 comentários | Deixe seu comentário

antonio faria alves disse:

Somos pioneiro desde 1957 sou filho de Olimpia Faria Alves…nosso primeiro endereço era ao lado do estádio que nem existia depois mudamos pa Maringá velho atras do antigo ponto de ônibus, atras do hotel maringá.

Tatiana disse:

Minha querida tia #amaisamorosateamotiaOlimia

mari disse:

Que linda história de vida. Olímpia é uma guerreira. Parabéns por encontrá-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

35.205 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Amante de tudo o que há de bom, de futebol a bacon.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

maio 2015
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

galeria de fotos

Mark Twain Cazuza George Carlin

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.