Literatura | Edição #413 - 18/05/2015

Mas afinal, quem sabe onde nasce o amor?

Descobrir o que o sentimento exerce sobre pessoas é um desafio aos mais íntimos pensamentos

Bruna Gabriel
Bruna Gabriel

(Reprodução/ Cena do filme UP- Altas Aventuras)

(Reprodução/ Cena do filme UP- Altas Aventuras)

Caminho pelas ruas e me vejo pensando em sentimentos, um deles o amor. Mas afinal, onde nasce o amor? Será que quando os olhares se cruzam ou no toque de duas mãos? Eles eram amigos, faziam tudo juntos, ouviam músicas, saiam, dividiam problemas, principalmente a garota, que tinha o coração partido, desgastado com o tempo devido um relacionamento anterior.

O garoto enxugava as lágrimas, com o coração apertado a abraçava forte, brotando no peito uma sensação de medo, insegurança. O que ele havia sentido? Eles eram amigos, mas o toque na pele dela, o abraço caloroso, o fez sentir um adolescente quando descobre que está apaixonado. Afastou-se rapidamente dela, e o olhar espantado da garota não entende o que acontece. Ele olha nos olhos dela e a deixa, sem dizer nenhuma palavra.

O amor não chega como explosão e nem soltando fogos de artifícios

A garota, já em casa, tenta compreender tudo aquilo e se vê pensando no relacionamento anterior, mas o espanto dela foi ainda maior quando percebeu que já não doía como antes. A dor era um processo de cicatrização que já não importava, pensava apenas naquele amigo, e ao relembrar aqueles olhos profundos fixados nos seus, pensava também o que ele estaria fazendo, se estava ouvindo músicas ou se estava comendo pizza. Já sabia tudo sobre ele, mas ainda não era suficiente.

Pegou a velha bicicleta cor de rosa com pequenas flores fixadas e pedalou até a casa do amigo. Mas qual foi a surpresa, quando ela o avistou sentando nas escadas da varanda, brotaram “borboletas na barriga”. Porque estaria nervosa? Ela se aproximou e sentou ao lado dele, sem dizer nada. Segurou as mãos do rapaz fazendo-o olhar para ela. Um simples toque de suas mãos com as dela o fez tremer, subindo adrenalina. Mãos fortes que passavam segurança e conforto, descobrindo que estavam apaixonados já há algum tempo sem perceber.

Um sentimento novo, uma descoberta. O amor não chega como explosão e nem soltando fogos de artifícios, nasce dos mais simples gestos. Chega sorrateiramente, fazendo-o sentir-se único, querendo voltar no tempo para reviver outra e outra vez aquele momento. Tudo é motivo de alegria e quando aquele sorriso estampa os lábios parece que só existem os dois. Não posso afirmar onde nasce o amor, pois o sentimento se constrói aos poucos. Cada momento é significativo para que brote e se fortaleça.


Artigo impresso de Jornal Matéria Prima:
http://www.jornalmateriaprima.com.br

Endereço para o artigo:
http://www.jornalmateriaprima.com.br/2015/05/mas-afinal-quem-sabe-onde-nasce-o-amor/

© 2017 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.