Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Literatura | Edição #413 - 18/05/2015

Mas afinal, quem sabe onde nasce o amor?

Descobrir o que o sentimento exerce sobre pessoas é um desafio aos mais íntimos pensamentos

Bruna Gabriel
Bruna Gabriel

Comentários
 
(Reprodução/ Cena do filme UP- Altas Aventuras)

(Reprodução/ Cena do filme UP- Altas Aventuras)

Caminho pelas ruas e me vejo pensando em sentimentos, um deles o amor. Mas afinal, onde nasce o amor? Será que quando os olhares se cruzam ou no toque de duas mãos? Eles eram amigos, faziam tudo juntos, ouviam músicas, saiam, dividiam problemas, principalmente a garota, que tinha o coração partido, desgastado com o tempo devido um relacionamento anterior.

O garoto enxugava as lágrimas, com o coração apertado a abraçava forte, brotando no peito uma sensação de medo, insegurança. O que ele havia sentido? Eles eram amigos, mas o toque na pele dela, o abraço caloroso, o fez sentir um adolescente quando descobre que está apaixonado. Afastou-se rapidamente dela, e o olhar espantado da garota não entende o que acontece. Ele olha nos olhos dela e a deixa, sem dizer nenhuma palavra.

O amor não chega como explosão e nem soltando fogos de artifícios

A garota, já em casa, tenta compreender tudo aquilo e se vê pensando no relacionamento anterior, mas o espanto dela foi ainda maior quando percebeu que já não doía como antes. A dor era um processo de cicatrização que já não importava, pensava apenas naquele amigo, e ao relembrar aqueles olhos profundos fixados nos seus, pensava também o que ele estaria fazendo, se estava ouvindo músicas ou se estava comendo pizza. Já sabia tudo sobre ele, mas ainda não era suficiente.

Pegou a velha bicicleta cor de rosa com pequenas flores fixadas e pedalou até a casa do amigo. Mas qual foi a surpresa, quando ela o avistou sentando nas escadas da varanda, brotaram “borboletas na barriga”. Porque estaria nervosa? Ela se aproximou e sentou ao lado dele, sem dizer nada. Segurou as mãos do rapaz fazendo-o olhar para ela. Um simples toque de suas mãos com as dela o fez tremer, subindo adrenalina. Mãos fortes que passavam segurança e conforto, descobrindo que estavam apaixonados já há algum tempo sem perceber.

Um sentimento novo, uma descoberta. O amor não chega como explosão e nem soltando fogos de artifícios, nasce dos mais simples gestos. Chega sorrateiramente, fazendo-o sentir-se único, querendo voltar no tempo para reviver outra e outra vez aquele momento. Tudo é motivo de alegria e quando aquele sorriso estampa os lábios parece que só existem os dois. Não posso afirmar onde nasce o amor, pois o sentimento se constrói aos poucos. Cada momento é significativo para que brote e se fortaleça.

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

37.133 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Posso ser forte, durona e molinha ao mesmo tempo

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

maio 2015
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

galeria de fotos

Chico Buarque Mark Twain George Carlin

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.