Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Cidade | Edição #371 - 29/08/2013

Jardim de mansões abriga gente humilde

Casal mais antigo do Cidade Monções tem na vizinhança casas grandes, jardins com piscina e mais de um carro na garagem

Amanda Oliveira
Aluna de Jornalismo

Comentários
 

O Jardim Cidade Monções, região sul de maringá, abrange diversos condomínios e sobrados de luxo. É fácil trocar duas letras do nome do bairro e obter uma definição do que mais encontramos por lá: mansões. Porém, ali mesmo, em meio a carrões e câmeras de segurança – que estão por toda parte – uma figura se destaca em uma rotina desgastante: um homem, montado numa bicicleta, percorre o bairro catando papelão.

Fiquei na UTI, fui encostado e até hoje tomo remédios. Só perdi dinheiro

É dessa maneira que o aposentado Antônio Honório dos Santos, 74, complementa a renda para sobreviver. Segundo ele, a quantia que recebe da aposentadoria não seria suficiente para viver, sustentar a mulher – que não conseguiu se aposentar – e alimentar a família, que conta com 16 netos e 10 bisnetos, que almoçam na casa humilde de Santos todo fim de semana. O dinheiro do papelão amplia o orçamento. “Fui atropelado quando ainda trabalhava e sofri traumatismo craniano. Tenho certeza que o motorista subornou o policial, pois contratei advogado e não consegui provar que ele estava errado. Fiquei na UTI, fui encostado e até hoje tomo remédios. Só perdi dinheiro”, relata.

Já teve casa com traficante, com bagunça. Mas vai fazer o quê? Brigar com vizinho?

A mulher do aposentado, Maria da Silva Santos, 71, relembra que, quando ambos chegaram ao bairro, há 30 anos, só havia mato no local. Foi no chão sem asfalto que a dona de casa criou os seis filhos e construiu relação de amor e ódio com o Monções. Ela diz conhecer todos os vizinhos e ter amizade com vários. “Mas sempre tem complicação, né? Tem uma casa que parece abandonada, é suja. Inclusive, já liguei para o disque-denúncia, pois havia um enxame muito grande que estava pertinho do meu muro. Já teve casa com traficante, com bagunça. Mas vai fazer o quê? Brigar com vizinho?”, questiona.

Sobre o bairro em geral, dona Maria diz ter segurança e tranquilidade, mas reclama da falta de serviços disponíveis. “Você pode sair e deixar o portão aberto que ninguém mexe. É um bairro ótimo. Só que a gente sente falta de uma ginástica [referindo-se à Academia da Terceira Idade], uma padaria, farmácia, posto de saúde. É tudo muito longe”, pondera. Questionada sobre o porquê de não se mudar, dona Maria é firme: “aqui é nosso lugar”. Apesar de todos os paradoxos, parece fazer sentido.

Antônio, Maria e a bicicleta

Antônio, Maria e a bicicleta que ajuda no sustento do casal (Foto: Amanda Oliveira)

 

Discussão e comentários »

Não há comentários | Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

37.839 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Escritora desde sempre, busca respostas (e, depois, mais perguntas) e flerta com cultura e arte.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

agosto 2013
S T Q Q S S D
« jul   set »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

galeria de fotos

Cazuza Chico Buarque Mario Quintana

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.