Cesumar - Centro Universitário de Maringá

Jornal Matéria Prima

 
  • Última Edição: #483 | 28/06/2018 - Ano XIX
 
Segurança / Sem categoria | Edição #360 - 16/05/2013

“Só quem tem poder pode fazer algo para ajudar”

Quase um ano depois de ter a filha de 10 anos assassinada, Érica da Silva ainda espera que a polícia descubra quem a matou

Nádia Viviane
Aluna de Jornalismo

Comentários
 

A tarde do dia 17 de junho de 2012 marcou para sempre a família de Beatriz Silva Pacheco, 10 anos. A menina, que morava em Sarandi (a 12 Km de Maringá), brincava com um primo de 9 anos quando foi abordada por um homem que aparentava ter cerca de 50 anos. Segundo relato do primo de Beatriz, o homem teria oferecido R$ 10 para que as crianças cuidassem de um cavalo no matagal. O menino rejeitou a proposta, mas a garota resolveu acompanhar o criminoso, desaparecendo. A menina Beatriz foi vítima de abuso sexual e, em seguida, assassinada. Já se passou quase um ano do acontecido e o estuprador ainda não foi identificado pela polícia.

Érica com a filha Beatriz: “ Ainda estou sem chão” (Foto: Arquivo particular)

Uma pesquisa realizada no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, de 2005 a 2009, mostrou que em 88% dos casos de abuso infantil, o agressor faz parte do círculo de convivência da criança. O pai (38% dos casos) é o agressor mais comum, seguido do padrasto (29%). O tio (15%) é o terceiro agressor mais comum, antes de algum primo (6%). Os vizinhos são 9% dos agressores e os desconhecidos são a minoria, representando 3% dos casos. A pesquisa mostrou também que 63,4% das vítimas de abuso são meninas. Na maioria dos casos, a criança abusada, independentemente do sexo, tem menos de 10 anos de idade. Essas e outras estatísticas serão lembradas no Sábado,18, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes.

Um relatório feito pelo Ministério da Saúde no ano passado mostrou que o abuso sexual é o segundo tipo de violência mais característica em crianças de até 9 anos. Segundo o levantamento, esse tipo de agressão fica atrás apenas das notificações de negligência e abandono. Em 2011 foram registrados no Brasil 14.625 casos de violência sexual, doméstica, física e outras agressões contra menores de 10 anos.
Combater a impunidade, lutar por Justiça e chamar a atenção dos que têm poder, tem sido a rotina de Érica da Silva,39, mãe de Beatriz. Esta semana ela conversou com o Jornal Matéria Prima.

Como era o cotidiano de Beatriz?
Ela era uma menina de alto astral e feliz. Sempre que estava na sala de aula ajudava as professoras. Quando batia o sinal do colégio, em vez dela vir embora, ficava ajudando as zeladoras a limparem a sala até eu ir buscá-la. Ela era sempre prestativa.

(Foto: Arquivo particular)

Como tem sido o dia a dia sem ela?
Está difícil. Muito difícil principalmente para mim, para os amigos da empresa onde trabalho, para minha mãe que cuidava dela. Sabe , até hoje eu estou sem chão. Estou sempre ligando na delegacia, conversando com o atual delegado de Sarandi, o doutor Reginaldo Caetano, procurando saber informação. A última notícia que tive foi que há um novo suspeito em Curitiba, mas ele se negou a fazer o exame de DNA. O delegado vai averiguar, pois o suspeito não é obrigado a fazer o exame. Tem uma burocracia danada que só acontece com quem é pobre, porque com rico não tem isso, sabia?! Com pessoas ricas não tem burocracia nenhuma, agora com gente mais humilde, isso infelizmente acontece. A minha maior revolta é que vai fazer um ano que aconteceu o caso, e até hoje a única resposta que tenho é que o resultado de exame demora, que primeiramente não tinha investigadores suficientes para estar trabalhando no caso, e que não tem só o meu caso para eles estarem investigando. Toda vez que eu ligo para saber sobre o andamento do caso, é sempre a mesma “ladainha”.

A repercussão do caso comoveu as pessoas e fez crescer as denúncias de abuso sexual em Maringá. Dez dias após o acontecido, o Conselho Tutelar da cidade recebeu nove denúncias de pedofilia e abuso sexual contra criança. A senhora acredita que esse acontecimento contribuiu para o esclarecimento de outros casos?
Ajudou bastante. Eu acredito que isso fez com que as pessoas que estavam com medo, resolvessem denunciar. Depois que aconteceu isso com a Beatriz, muitas coisas vieram à tona e muita gente criou coragem para poder denunciar outros casos. As pessoas estão mais cuidadosas e preventivas. Ouço muitas pessoas comentarem que usam o que aconteceu com a minha filha quando vão aconselhar os filhos. Os pais falam sobre o caso da Beatriz para que os filhos não os desobedeçam. O que aconteceu com a Bia, está fazendo com que várias mães e pais tomem mais cuidado.

Tem uma burocracia danada que só acontece com quem é pobre, porque com rico não tem isso, sabia?!

 

No dia 16 de agosto do ano passado, dois meses após o acontecido, foi realizada uma manifestação em Sarandi, com mais de 200 pessoas, para cobrar maior empenho na investigação. A senhora pretende mobilizar mais algum protesto?
Sabe, é difícil, mas estou lutando. Já fizemos uma passeata e estamos organizando outra. Se chegar a um ano sem achar o criminoso, vamos organizar outro movimento, para mobilizar e chamar atenção das autoridades. Não tenho um nome importante igual ao de empresários famosos e não tenho dinheiro, mas eu quero que eles saibam que eu tenho meu nome, minha filha, que era igual a qualquer outro milionário, e ela é uma pessoa que merece respeito.

A senhora acredita que uma campanha nacional contribuiria para a localização do assassino?
Sim. Eu queria que a presidente ficasse sabendo. Não falo só do meu caso, mas também o de outras mães que tiveram filhas desaparecidas. Se a presidente apoiasse, tivesse mais desempenho com esses casos, ia ajudar bastante. Ela sempre fala que vai melhorar a saúde, e se ela mostrasse melhor desempenho em relação a esses casos e se mobilizasse, iria, sem dúvidas, contribuir. Tudo o que a presidente fala, tudo o que ela quer os investigadores vão aderir, e se ela fizesse isso em prol de nós mães e pais que estão sofrendo com esse tipo de situação, garanto que esses casos , ou pelo menos a maioria seriam resolvidos. Eu tenho esperança que alguém que tenha poder ainda faça algo para ajudar.

(Foto: Arquivo particular)

A Polícia Civil estima que mais de R$ 60 mil já foram gastos na investigação do caso Beatriz. A senhora acha que está havendo falha no trabalho da polícia?
Eu me refiro mais aos resultados dos exames que são demorados. Eles dizem que não tem só o meu caso e que não podem estar colocando a minha situação na frente dos outros, que também estão na fila. Para mim, a minha filha não morreu, ela está viva, sempre vai estar viva. Eu não consigo ver minha filha morta.  O primeiro delegado que estava acompanhando o caso já não está mais na delegacia. O novo delegado que entrou há pouco tempo, pegou o “fio pela metade”. Ele não tem culpa, mas pegou o “bonde” na metade do caminho. Só que no meu ponto de vista, ainda está faltando algo para encontrar o criminoso.

A senhora tem esperança de que seja feito justiça?
Sim. Eu tenho muita esperança e peço muito para Deus, todos os dias. O que me ajuda são os amigos e minha família. Até hoje estou sem chão e não desejo isso para ninguém.

Se o criminoso for encontrado, a senhora o perdoaria?
Não. Quem tem que perdoar é só Deus. Ele tem que pedir perdão para Deus e não para mim.

 

 

 

 

Discussão e comentários »

Um comentário | Deixe seu comentário

cade nossa justiça cade nossa televisão cade o barulho só estou ouvindo o silencio das enprensa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copie a Senha gerada. *

* Digite ou cole senha aqui. *

37.827 Spam Comments Blocked so far by Spam Free Wordpress

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

sobre o autor

Aspirante de Jornalista e locutora. Apaixonada pelo rádio. Adora uma boa história.

ver mais posts do autor »

 

Notícias

 

Calendário

maio 2013
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

galeria de fotos

Chico Buarque George Carlin Mark Twain

enquete

Você gostou das edições do JMP deste primeiro semestre?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...
 

Jornal Matéria Prima é produzido por alunos do curso de Jornalismo do Centro Universitário Cesumar - UniCesumar - na disciplina Técnica de Reportagem.

 

Publicado com WordPress / Laboratório de Notícias

Proibida a reprodução sem autorização do autor ou da Unicesumar

©2011-2018 Jornal Matéria Prima. Todos os Direitos Reservados.